23 de dez de 2009

RAVINDRA

Kátia entrou como uma bala no quarto de Elizabeth.

- Amiga, estou apaixonada.

- Quem é? Perguntou Kátia

- Muito fôfo, rosnou manhosa Elizabeth.

- Eu conheço?

- Não, ele não é daqui.

- É de João Pessoa?

- Não.

- Lindo! Ele é uma coisa fofinha!

- Onde ele mora? Quem é a familia dele? O que ele faz? Estuda ou é um vagabundo cafajeste?

- Que agressividade é essa?

- Essa coisa existe?

- Ele é indiano e mora em Nova Deli.

- Como assim?

- Conheci-o pelo Orkut!

- E ele fala português?

- Claro que não, conversamos em inglês...

- E tu fala inglês? Diz a outra com suprema ironia.

- Um pouquinho, mas uso o google tradutor, ele quer se casar comigo, quer que eu vá morar com ele na India.

- Você está maluca.

- Ele disse que vai mandar o dinheiro para eu viajar para lá.

- Vou contar prá tua mãe.

- Naão faça isso, amiga, eu escrevo uma carta para ela depois que tudo tiver acontecido.

- Amiga eu sei que você só tem dois neurônios, tico e teco, e acho que eles devem ter tirado férias.

- Se eu não viajar logo, ele me disse que a familia dele vai obriga-lo a se casar com uma fuleira qualquer.

- Que palavra é essa?

- Ele não disse assim, mas eu entendi o sentido...

- Ele deve ser um traficante de escravas brancas, Deixe-me vê-lo...

- Promete guardar segredo?

- sim, juro...

- Pela Avó-Lua?

- Juro.

Elizabeth deu alguns cliques e abriu a página de Ravindra, um rapaz indiano de feições delicadas como uma estátua de Krishna.

- Muito fofinho! Admitiu Kátia.

- É meu. Lembrou Elizabeth.

As duas amigas ficaram olhando por um longo tempo a imagem daquele príncipe até que o descanso de tela disparou uma chuva de estrelas vinda do infinito.

- E se usássemos da magia da avó-lua para nos conectarmos diretamente com ele? Disse Elizabeth.

- Vamos fazer como vimos naquele filme.

- Qual?

_ Não importa...

Elas levaram o laptop até a janela, deram-se as mãos e sob a luz tênue da lua em quarto crescente evocaram a presença de Ravindra. Ficaram imóveis respirando rítmicamente. Cada uma em seu coração imaginou-se encontrando com ele. O encanto foi quebrado pelo toque do celular de Kátia; Dona Clara, sua mãe, ligou pedindo que voltasse logo para casa, pois já era tarde da noite.

Elizabeth foi para a sua cama com o  laptop ligado. Adormeceu.

Um barulho estranho, no entanto, despertou-a. Ela aproximou o seu rosto da tela do computador. então...

Ele tocou os seus lábios com a ponta dos dedos e suavente circulou-os com se andasse pelas margens da piscina que fica no jardim do Taj Mahal. Aproximou o seu rosto, tão perto que respiraram-se uma ao outro. O coração encheu-se de um estranho fluído incandescente, entre milhares de pixéis coloridos, todo o quarto se fazia uma única tela tridimensional de plasma amoroso. Pela fresta da porta era possível ver a intensa luminosidade que vazava para o restante da casa. A bela princesa caminhou pelo caminho de bytes, conduzida pelas mãos firmes do Príncipe e foram viver no eterno mundo da energia.

Nenhum comentário: