27 de jun de 2011

CARTA DE LEITORA E RESPOSTA


A CARTA

Querido escritor, estou te escrevendo para dar a minha contribuição ao desenrolar da estória de Padma e Gertrudes. Estou também aceitando a idéia de que você vai me permitir fazer algumas alterações na estória. Esta criatura chamada Padma é uma imbecil. Ela não tem futuro, e acho que também não deve ter passado, ela é uma descarga de caricaturas femininas relacionadas com esta literatura babaca da nova era, tipo Paulo Coelho, e esta mulherzinha apesar de sua familiaridade com Brida, que li mas me arrependi, deveria tomar jeito de gente. Todas as pessoas tem o direito de errar e ler aquelas  obras aguadas pelo menos uma vez. KKKKKKKKKKKKKKK. Não ria, eu posso, você não, rs rs rs. Assim já que você apareceu no Facebook e disse que eu poderia mandar alguma sugestão, então lá vai:

1 - Você deve mandar esta Padma voltar até o Hospital de Emergência e trauma e pegar aquele Dr. Raul e dar a sua xxt  para ele. Porque acho que esta criaturinha nunca experimentou as delícias de uma boa trpd.

2 - Ela deve levar o Dr. Raul para a casa de Gertrudes.

3 - Acho ridículo, esta estória de criar uma galinha em um apartamento, é algo completamente contra a natureza da civilização.
4 - não divulgue o meu nome em hipótese alguma, pode usar as minhas dicas, mas exijo o anonimato.

5 - Cadê a Gertrudes do primeiro capitulo? Ela era muito mais animada e descontrolada, e agora é uma velha rabugenta. Ela foi se tornando uma bruxa de desenho animado.

Me perdoe a frankkkkkeza, kkkkkkkkkkk, mas como escritor você é um péssimo blogueiro, arranje outro hobby. Estou sendo sincera com você, não precisa me agradecer por isto, vá encher a cara de cachaça que tem mais futuro.

De sua leitora por caridade, kkkkkkkkkkk,

Lembre-se de que não quero que me identifique, pode publicar, mas estou invisível.

bjsssss, rs rs rs rsrsrsrsrsrsrs

A RESPOSTA

Junho de 2011
Cara amiga invisível,

Vou chamar-te de mulher invisível, ou Min, ficará sendo o teu codinome.

Obrigado pela sinceridade, não é todo dia que alguém diz palavras tão duras com tanta propriedade. Primeiramente quero te esclarecer que não sou um escritor profissional. Este livro chamado Padma, começou como uma brincadeira de criação coletiva e tomou este rumo inusitado, como escrevi na explicação inicial as personagens foram tomando rumo e exigindo uma solução.

Em relação à tua carta, resolvi publicá-la, mas com algumas precauções, pois você usa uma linguagem muito à vontade, apesar de ser uma pessoa culta no seu perfil: com formação universitária e falante de idiomas estrangeiros.

Cortei as expressões de baixo calão. Deixando apenas as consoantes das palavras. Assim deixei o teu pensamento intacto.

Quanto ao Paulo Coelho, não o considero uma pessoa indigna de tua consideração, ele é membro da Academia Brasileira de Letras. Coisa que muita inteligência crítica sequer sonha em conseguir.

Quanto às tuas sugestões devo admitir que você tem uma mente pervertida. 

Padma não poderia jamais ir até o Hospital e oferecer-se ao Dr. Raul como uma rameira. Ela é uma criatura especial. Você ainda não conseguiu entender o propósito de Padma.

Não sei como resolver a situação de levar Dr. Raul para conhecer as amigas no apartamento, Não há um motivo plausível para isso.

É plenamente aceitável que se crie uma galinha no apartamento, ela é um símbolo da luta contra a violência no mundo de hoje.
 Lamento te informar que mesmo não sendo um escritor, adoro a tua caridade, alias, se não fosse por ela eu não estaria aqui te escrevendo, esta carta e aceitando a tua provocação e tem mais, eu não gosto desta linguagem de internet tipo  kkkkkkk, mas eu vou rir um pouco kkkkkkk, pois não vai dar para trazer a Gertrudes daquele primeiro momento de volta, ela está sofrendo modificações em sua maneira de ver o mundo;  esta é a idéia principal da vida dela.
Eu sei que aquela mulher desbocada possuía os seus encantos, mas é preciso que aos poucos ela vá revelando aspectos de sua angustia interior, você me entende?

A vida não é somente cachaça e festa, têm um momento no qual se precisa pisar os pés no chão. Este é o processo de descoberta dela. Ela já tomou muita bebida, já namorou muito, mas agora ela lamenta-se de não ter mais a juventude. Você deve ter visto o filme Piratas do Caribe 4, na qual a personagem de Jonh Deep vai em busca da fonte da juventude. Acho que se Gertrudes pudesse ela iria atrás de uma fonte como aquela.
Atenciosamente
E V

Nenhum comentário: